terça-feira, fevereiro 27, 2024
Home » Suco de veneno? Substâncias químicas e radioativas são achadas na água de centenas de cidades pelo Brasil

Suco de veneno? Substâncias químicas e radioativas são achadas na água de centenas de cidades pelo Brasil

por Redação

Ao beber a água proveniente da torneira em sua residência, você pode estar ingerindo uma mistura tóxica. Essa é a descoberta de uma pesquisa baseada em dados sobre o tratamento de água no Brasil. O estudo revelou a existência de compostos químicos e até mesmo elementos radioativos na água de 763 cidades brasileiras.

O levantamento, denominado Mapa da Água, foi conduzido e divulgado pela agência estatal Repórter Brasil. Essa agência analisou os resultados de testes realizados por empresas ou órgãos responsáveis pelo abastecimento de água, que foram enviados ao Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua), do Ministério da Saúde. Com base na análise desses dados, durante o período entre 2018 e 2020, a agência constatou a presença de substâncias químicas e radioativas na água tratada em uma em cada quatro cidades onde os testes foram realizados.

Acesse o Mapa da Água e veja a situação do seu município aqui

Os impactos na saúde desse “suco de veneno” vão de dor de barriga, diarreia e até surtos de cólera. Além disso, substâncias químicas e radioativas demoram mais para apresentar seus malefícios, mas eles chegam. Nesse sentido, estudos associam esses produtos ao câncer, mutações genéticas e diversos outros problemas de saúde.

Outro lado

Após da publicação do levantamento e a repercussão que ele teve, algumas empresas e órgãos de abastecimento entraram em contato indicando que cometeram erros ao preencher o Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano. Desse modo, declaram que os dados acessados pelo Mapa não correspondem aos resultados dos seus testes. Clique aqui para saber quais. A pesquisa usa dados do Sisagua de novembro de 2021, não inclui atualizações ou retificações feitas desde então. Por fim, leia outras mensagens enviadas pelas empresas e órgãos de abastecimento sobre o levantamento aqui.

Redação

Artigos Relacionados

Deixe seu Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Seja nosso parceiro!

Fale conosco e tire todas suas dúvidas. Venha fazer parte do maior canal de entrevistas de saúde do Brasil!

Newsletter

    @2023 Fernando Beteti – Todos os Direitos Reservados.