segunda-feira, fevereiro 26, 2024
Home » Muita fome e sede pode indicar assassino silencioso

Muita fome e sede pode indicar assassino silencioso

por Fernando Beteti

Sintomas aparentemente banais, como o aumento da fome e da sede podem, na verdade, indicar a presença de um “assassino silencioso”. Trata-se da diabetes, uma doença que, de acordo com a Federação Internacional de Diabetes aumentou 16% sua incidência na população mundial, entre 2019 e 2021. Segundo a entidade, o número de pessoas com a doença aumentou em 74 milhões, totalizando 537 milhões de adultos no mundo em 2021. No Brasil, estima-se que existam 16,8 milhões de pessoas com a doença, ou seja, aproximadamente 7% da população.

Além do aumento da fome e da sede, outros sintomas podem indicar a presença da diabetes, uma doença tão perigosa, quanto silenciosa. São eles:

Sintomas do diabetes tipo 1:

  • Fome frequente;
  • Sede constante;
  • Vontade de urinar diversas vezes ao dia;
  • Perda de peso;
  • Fraqueza;
  • Fadiga;
  • Mudanças de humor;
  • Náusea e vômito.

Sintomas do diabetes tipo 2:

  • Fome frequente;
  • Sede constante;
  • Formigamento nos pés e mãos;
  • Vontade de urinar diversas vezes;
  • Infecções frequentes na bexiga, rins, pele e infecções de pele;
  • Feridas que demoram para cicatrizar;
  • Visão embaçada.

Diabetes tem cura?

Mas será que a diabetes tem cura? O médico, escritor best-sellers e conferencista Lair Ribeiro não tem dúvidas. Para ele, a resposta é: SIM. De acordo com Dr. Lair, a diabetes do tipo 2 é uma doença nutricional e, portanto, deve ser tratada como tal.

“O paciente diabético tem que primeiro mudar qualidade de vida dele. Enquanto ele não mudar a alimentação dele, enquanto ele não mudar qualidade de vida dele, não interessa o remédio caro que ele vai comprar. Ou seja, ele não vai resolver o problema. O remédio aí é coadjuvante”, diz.

Sendo assim, o especialista reforça que a solução do problema passa necessariamente pela mudança na alimentação.

” Portanto, é importante ele saber que tem que comer menos carboidrato possível. Ele tem que abrir mão do pão, do macarrão, das farinhas, em geral, pois isso tudo vai virar glicose”. O caminho, explica Lair, é uma dieta a base de proteína e gordura.

Basta controlar a glicemia?

Dessa forma, basta ter a glicemia controlada, certo? Errado! “Se você está com a glicemia controlada por remédio, vou lhe explicar o que acontece. O que é mais nobre? O sangue ou o que está dentro da célula. A função do sangue é levar nutrientes para abastecer as células. Dentro da célula estão o núcleo, a molécula mais importante do corpo, que é o DNA, as organelas mitocôndrias, ribossomos. Resumindo, tudo que tem nobreza está dentro da célula”, relata Lair Ribeiro.

“Então, se eu estou com sangue com açúcar elevado. O que que eu faço? Eu dou um remédio para enfiar essa açúcar
para dentro da célula. Eu tirei o açúcar de um lugar menos nobre e empurrei esse açúcar para o lugar mais nobre. Nessa perspectiva, o ribossomo não vai conseguir funcionar, o núcleo e et… isso porque está cheio de açúcar lá dentro. Você acha que isso é solução? Isso para mim enxugar gelo”.

Suplementos aliados da diabetes

Suplementos aliados contra a diabetes

A suplementação colabora para o tratamento e prevenção da diabetes. Entre os suplementos importantes nessa batalha, está o SupraCromo da NutriGenes (conheça aqui). Agindo como facilitador da ação da insulina no organismo, o picolinato de cromo (ácido picolínico e cromo ) presente na fórmula ajuda a regular o índice glicêmico. Resultado disso? Uma eficiente ação contra diabetes tipo 2.

Com propriedades que reduzem os níveis de colesterol ruim (LDL) e são capazes de aumentar o colesterol bom (HDL), o Cromo Quelato auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares, como andina, infarto e acidente vascular cerebral (AVC), entre várias outras.

Além disso, a Vitamina D3 também é fundamental na prevenção à doença. De acordo com cientistas da Universidade do Sul da Austrália, pessoas com bons níveis de vitamina D correm menos risco de ter diabetes. Saiba como obter Vitamina D3 de qualidade.

Mais sobre a doença

A diabetes, conforme o Ministério da Saúde, é decorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade de a insulina exercer adequadamente seus efeitos. A insulina, portanto, é produzida pelo pâncreas e é responsável pela manutenção do metabolismo da glicose. A falta desse hormônio provoca déficit na metabolização da glicose e, assim sendo, diabetes. Em suma, caracteriza-se por altas taxas de açúcar no sangue (hiperglicemia) de forma permanente.

Tipos:

  • Tipo 1: causado pela destruição das células produtoras de insulina, em decorrência de defeito do sistema imunológico em que os anticorpos atacam as células que produzem a insulina. Nessa perspectiva, ocorre em cerca de 5 a 10% dos diabéticos.
  • Tipo 2: resulta da resistência à insulina e de deficiência na sua secreção. Ocorre em cerca de 90% dos diabéticos.
  • Gestacional: é a diminuição da tolerância à glicose, diagnosticada pela primeira vez na gestação, podendo ou não persistir após o parto. Contudo, sua causa exata ainda não é conhecida.
  • Outros tipos: são decorrentes de defeitos genéticos associados com outras doenças ou com o uso de medicamentos.
  • Podem ser: defeitos genéticos da função da célula beta; defeitos genéticos na ação da insulina; doenças do pâncreas (pancreatite, neoplasia, hemocromatose, fibrose cística, etc.); induzidos por drogas ou produtos químicos (diuréticos, corticoides, betabloqueadores, contraceptivos, etc.).

Clique aqui para acompanhar entrevistas completas feitas pelo Repórter Saúde, Fernando Beteti, com Lair Ribeiro, para entender como a diabetes tem cura.

Foto: Freepik

Fernando Beteti

Artigos Relacionados

Deixe seu Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Seja nosso parceiro!

Fale conosco e tire todas suas dúvidas. Venha fazer parte do maior canal de entrevistas de saúde do Brasil!

Newsletter

    @2023 Fernando Beteti – Todos os Direitos Reservados.